Atalho: 5RC9ZHM
Gostou do artigo? Compartilhe!

Eu tenho Diabetes. E agora ?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Cerca de 16 milhões de brasileiros são diabéticos, o que representa cerca de 8% do total de nossa população. Mais de 18 milhões de americanos têm diabetes1 e outros 41 milhões têm o chamado pré-diabetes2. Você não está sozinho.

Ter diabetes1 é estar em uma situação complexa, mas a boa notícia é que você pode prevenir ou retardar as complicações desta doença com pequenas mudanças em seu estilo de vida. Leva tempo para adquirir as habilidades necessárias para controlá-la, mas existem especialistas que podem te ajudar. Pergunte ao seu médico onde encontrá-los. Outra opção são os grupos de suporte em diabetes1, nos diversos sites de interesse existentes. Você se surpreenderá com tudo que pode aprender e verá como é fácil controlar as alterações na sua glicemia3. Tudo isso vai contribuir para a melhoria no seu estilo de vida. Portanto, é necessário que você tenha uma noção básica do que está vivendo. Aqui estão algumas informações relevantes.

O que é pré-diabetes2?
É uma condição em que os níveis de glicose4 são mais altos que o normal, mas não tão altos para dar o diagnóstico5 de diabetes tipo 26 (o tipo mais freqüente). Pessoas com pré-diabetes2 têm maiores riscos para desenvolver diabetes tipo 26, doenças do coração7 e derrames (acidentes vasculares8 cerebrais). Uma vez cientes desta condição, podem iniciar medidas preventivas.

O que é diabetes1?
Diabetes mellitus9 tipo 2 é o tipo mais comum nos Estados Unidos. Ele afeta quase 90% das pessoas que têm diabetes1. Ocorre quando o nível de glicose4 (açúcar10) no sangue11 fica muito alto. A glicose4 é o combustível que as células12 do corpo usam para obter energia. O diabetes tipo 26 ocorre quando não há produção suficiente de insulina13 por um órgão chamado pâncreas14 ou porque o corpo se torna menos sensível à ação da insulina13 que é produzida - a chamada resistência à insulina15. A insulina13 ajuda o corpo a levar a glicose4 para dentro das células12. A maioria das pessoas que têm diabetes1 do tipo 2 apresentam idade superior a 40 anos, possuem sobrepeso16 e estão fora de forma. O controle de peso, o aumento da atividade física e, em alguns casos, o uso de medicamentos pode melhorar os níveis de glicose4 no sangue11. O diabetes1 não pode ser curado, mas pode ser controlado. Controlando os níveis de glicose4 no sangue11, as complicações do diabetes17, como doenças do coração7, cegueira e complicações renais podem ser prevenidas ou postergadas.

Objetivos do tratamento
O objetivo principal do manejo do diabetes1 é o controle dos níveis de glicose4 no sangue11. Este nível deve ser mantido entre 80-120 mg/dl18 antes das refeições, segundo a Associação Americana de Diabetes1. Seu médico irá recomendar o nível desejado para você. Mantendo seu nível de açúcar10 no sangue11 o mais próximo possível do seu alvo, você vai conseguir manter-se saudável. Outros objetivos recomendáveis para pessoas que têm diabetes1 são a redução dos níveis de pressão arterial19 e a diminuição dos níveis de colesterol20 e de triglicérides21 (gorduras no sangue11). Se eles estiverem altos, você corre mais risco de sofrer um problema no coração7 ou um derrame22. Para os diabéticos fumantes, a melhor opção é parar de fumar. Este hábito acelera todos os problemas associados ao diabetes1, porque diminui o fluxo sangüíneo e a oxigenação das células12. Outro cuidado é evitar o uso de medicamentos que podem agredir o pâncreas14 como cortisona e diuréticos23 tiazídicos.

Problemas dietéticos
A escolha da sua alimentação vai afetar o controle do seu diabetes1. Alimentos que contenham açúcar10 natural ou adicionado vão alterar mais os seus níveis de glicose4 que os alimentos que têm principalmente proteína e gordura24. Um nutricionista25 pode ajudá-lo a preparar um planejamento de refeições saudáveis com uma variedade de alimentos, levando em conta seus alimentos prediletos.

Controlar a quantidade de calorias26 ingeridas é importante para o controle do diabetes1. Uma perda de peso de apenas 5 a 10 quilos pode fazer grande diferença no controle de seu nível de glicose sangüínea27 e de sua pressão arterial19. Beber bastante água, ingerir alimentos ricos em fibras e comer menos gorduras irá ajudar. Observar a ingestão de sal (sódio) também auxilia se você têm pressão arterial19 alta (hipertensão28). Limitar a ingestão de gorduras sólidas ajuda a controlar seus níveis de colesterol20.

A maioria das pessoas pensa que comer a mesma quantidade de alimentos em tempos mais ou menos idênticos a cada dia ajuda a controlar seus níveis glicêmicos. Pular refeições é uma má idéia, especialmente se você usa medicamentos para diabetes1. A falta de uma refeição também pode fazer com que você coma29 mais na próxima refeição, aumentando o ganho de calorias26. Você não precisa comprar alimentos especiais para diabéticos. O planejamento de suas refeições com um nutricionista25 vai ser bom para você e para toda a sua família.

Fazer uma atividade física é muito importante
Níveis sangüíneos adequados de glicose4 e controle de peso são difíceis de serem alcançados sem uma atividade física regular. Atividades físicas podem incluir apenas uma maior movimentação no seu dia-a-dia, dirigir menos e andar mais, trocar o elevador pelas escadas, fazer serviços de jardinagem ou passear com o seu cachorro. Todas elas aumentam o gasto de calorias26.

Um programa de atividade física regular também é muito bom. Para a perda de peso, exercícios que aumentam a freqüência cardíaca de acordo com limites estabelecidos para a sua idade ajudam a obter melhores resultados. Boas escolhas são caminhadas em ritmo acelerado, natação, exercícos aeróbios na água e ciclismo. Se você não está se exercitando regularmente ultimamente, visite um médico antes de começar. Os resultados deste checkup ajudarão a escolher a atividade mais apropriada para você. O objetivo é fazer mais de alguma coisa que você goste. Você deve praticar atividades físicas pelo menos 5 dias na semana. Exercícios com seu parceiro(a) ou com um grupo de amigos pode ajudar a aumentar sua atividade física e seu prazer. Você vai conhecer melhor seus níveis de glicose4 quando praticar seus exercícios sempre no mesmo horário do dia.

Monitorização dos níveis de glicose4 sangüínea
A monitorização da sua glicemia3 é o único meio de saber se o seu diabetes1 está sob controle. A sua equipe médica lhe dirá a freqüência com que ela deve ser checada. Estas informações vão lhe ajudar a ver padrões de controle do seu diabetes1. Se você tiver três valores nos mesmos horários a cada dia que estiverem acima ou abaixo do seu alvo, você pode mudar a sua alimentação, exercícios ou medicações habituais. Registrando suas medidas de glicemia3, o que você come, o que você fez neste dia e quanto de medicamento você tomou ajudará você a identificar outros padrões.

Há muitos monitores de controle disponíveis. Um farmacêutico ou um especialista em diabetes1 pode te ajudar a decidir qual o melhor para você. Sempre leve o seu monitor e o registro de suas glicemias com você quando for visitar o seu médico. Eles podem testar se seu monitor está funcionando perfeitamente e se você está checando-o corretamente. Também é válido levar anotadas as medicações que está usando ou, se usa insulina13, qual a dose e os horários habituais. Para isso, guarde as prescrições de seu médico e exija dele que seu receituário seja feito de maneira legível.

Escolha de medicamentos
Novos medicamentos para diabetes1 aparecem todos os dias. Seu médico vai decidir qual a medicação mais apropriada para você. Algumas pessoas com diabetes tipo 26 podem controlar a glicemia3 apenas com mudanças na alimentação ou com o aumento de atividades físicas, sem necessitarem usar medicações ou insulina13 por um longo tempo. As medicações precisam de modificações periódicas. Por isso, você pode ter que mudar de remédios mais de uma vez. A monitoração das glicemias é essencial para decidir quais as melhores medicações a serem adotadas.

Cada tipo de comprimido para diabetes1 funciona de maneira diferente. Eles não são insulina13. Dentre os variados efeitos destes remédios podemos destacar a produção de mais insulina13 pelo pâncreas14, a diminuição da absorção de carboidratos e o aumento da sensibilidade do organismo à ação da insulina13. Você pode necessitar de um ou mais destes medicamentos para controlar sua diabetes1.

Às vezes o controle glicêmico só é obtido com injeções de insulina13. Algumas pessoas necessitam receber esta substância ao mesmo tempo em que fazem uso de medicamentos. A freqüência com que você recebe insulina13 depende de quanto o seu corpo ainda produz e de como o seu médico pretende controlar o seu nível glicêmico. Tipos diferentes de insulina13 têm tempo de ação diferente. Sua equipe médica dirá quanto de cada tipo você necessita e com que freqüência.

É importante aprender a técnica correta de uso das injeções de insulina13 e sempre modificar o local do corpo onde são aplicadas para evitar problemas degenerativos30. Os melhores locais para aplicação são a barriga, exceto a área de 5 cm ao redor do umbigo31; região superior das nádegas32, face33 anterior e lateral das coxas34, região lateral e posterior do braço.

A utilização de canetas de administração de insulina13 tem facilitado para o indivíduo diabético atingir um bom controle glicêmico. A precisão das doses administradas, associada à grande satisfação dos usuários deste método de aplicação, tem disseminado seu emprego em todo o mundo.

Mude seus hábitos e viva tranqüilo
Receber o diagnóstico5 de diabetes1 atualmente significa readaptar hábitos e estilo de vida. Os avanços científicos na área possibilitam tratamentos para todos os tipos de casos. Esta é uma oportunidade para você prestar mais atenção à sua saúde35 e adquirir responsabilidades sobre as mudanças que podem conduzir a vários anos de vida melhor aproveitados.

Equipe Médica Centralx36

NEWS.MED.BR, 2005. Eu tenho Diabetes. E agora ?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/para-pacientes/815/eu+tenho+diabetes+e+agora.htm>. Acesso em: 9 jul. 2020.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
3 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
4 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
6 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
7 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
8 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
9 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
10 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
14 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
15 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
16 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
17 Complicações do diabetes: São os efeitos prejudiciais do diabetes no organismo, tais como: danos aos olhos, coração, vasos sangüíneos, sistema nervoso, dentes e gengivas, pés, pele e rins. Os estudos mostram que aqueles que mantêm os níveis de glicose do sangue, a pressão arterial e o colesterol próximos aos níveis normais podem ajudar a impedir ou postergar estes problemas.
18 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
19 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
20 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
21 Triglicérides: A principal maneira de armazenar os lipídeos no tecido adiposo é sob a forma de triglicérides. São também os tipos de lipídeos mais abundantes na alimentação. Podem ser definidos como compostos formados pela união de três ácidos graxos com glicerol. Os triglicérides sólidos em temperatura ambiente são conhecidos como gorduras, enquanto os líquidos são os óleos. As gorduras geralmente possuem uma alta proporção de ácidos graxos saturados de cadeia longa, já os óleos normalmente contêm mais ácidos graxos insaturados de cadeia curta.
22 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
23 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
24 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
25 Nutricionista: Especialista em nutricionismo, ou seja, especialista no estudo das necessidades alimentares dos seres humanos e animais, e dos problemas relativos à nutrição.
26 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
27 Nível de glicose sangüínea: Quantidade de glicose em uma amostra de sangue. É medida em miligramas por decilitros ou mg/dL.
28 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
29 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
30 Degenerativos: Relativos a ou que provocam degeneração.
31 Umbigo: Depressão no centro da PAREDE ABDOMINAL, marcando o ponto onde o CORDÃO UMBILICAL entrava no feto. OMPHALO- (navel)
32 Nádegas:
33 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
34 Coxas: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
35 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
36 Centralx: Empresa fornecedora de produtos e serviços na área de medicina. Fundada em 1989 a Centralx é líder no mercado de softwares e sistemas de informação médicos no Brasil.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

17/12/2005 - Complemento feito por Elielma
eu tenho diabetes e agora
É muito interessante o comentário do leitor Sérgio M. Cardodoso, concordo plenamente com ele, mas acho importante ressaltar que não somente os diabéticos como a maioria da população, além de não distinguir os termos empregados em alimentos diet e light, não sabem interpretar as informações contidas nos rótulos dos alimentos, o que é de fundamental importancia para comprar o que deseja, principalmente quando a compra deste envolve alguma patologia.
Recentemente a Royal lançou uma gelatina diet e outra light, a diferença de preço da gelatina diet é praticamente 50% mais cara, no entanto, quando analisamos os ingredientes que compõe a gelatina light, não há nenhum problema para o consumo de um diabético, pois ao invés de sacarose (açúcar) o fabricante utiliza edulcorante (aspartame), assim como em outros produtos.
Acredito que a legislação de alimentos para fins especiais, assim como, a rotulagem de alimentos está evoluindo, obrigando os fabricantes a rotularem informações importantes que antes não continham, porém a população deve familiarizar-se com tais informações e saber utilizar-las em beneficio próprio.

10/12/2005 - Complemento feito por Sérgio
Atenção na compra de alimentos
Muito importante o informa sobre diabetes. Lembro que na compra de alimentos, o consumidor diabético deve saber diferenciar os produtos 'diet' dos produtos 'light'. Os alimentos do primeiro grupo são isentos de açúcares - principalmente sacarose -, enquanto os do segundo grupo, têm apenas menos gordura ou calorias, provenientes da quantidade de hidrato de cabono presente. O diabético não deve ingerir produtos 'light'.

  • Entrar
  • Assinar